1 comentário

  1. José Carlos da Silva

    Lembrei do Auto da Lusitânia, com esse negócio de “ninguém se importa, mas não se esqueça que sempre tem um ninguém pra se importar”.

    Responder

Deixe uma resposta